Atividade: Painel

 

DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO EFEITO DA PSICOEDUCAÇÃO SOBRE O COMPORTAMENTO DE MUDANÇA EM UMA CLIENTE PORTADORA DE TOC

 

DAYANNE TORQUATO LOURENÇO

IPq-HCFMUSP

 

Regina Christina Wielenska

IPq-HCFMUSP e HU-USP

 

A Reforma Psiquiátrica possibilitou a aplicação de formas humanizadas e eficazes de auxiliar pacientes com transtornos mentais. Com isso, a psicoeducação ganha destaque como intervenção complementar ao tratamento tradicional, indo ao encontro dos novos ideais de saúde mental. A psicoeducação engloba informações básicas sobre o transtorno psiquiátrico, sua natureza, tratamento, seus objetivos, descrição do transtorno e respectivo processo psicoterapêutico. Adicionalmente à psicoeducação pode-se fazer uso de biblioterapia (folhetos informativos, livros e reportagens imprensas) e vídeoterapia (filmes, documentários e programas acerca do tema). V., (28) iniciou tratamento psicológico no Instituto de Psiquiatria do HCFMUSP após encaminhamento do médico psiquiatra, com sintomas obsessivo-compulsivos, com significativo prejuízo no seu funcionamento social e nos cuidados com a filha menor de um ano. As obsessões da cliente eram associadas à ideia de contaminação, doença e também de assalto e/ou roubo, enquanto que as compulsões de V. eram relacionadas com higiene e checagem (janelas, portas e se os familiares estavam a salvo em casa). Apresentava também comportamentos de esquiva associados às obsessões. Antes da psicoeducação, a cliente verbalizou que não conseguia conviver com a angústia da incerteza e, por isso, realizava as compulsões (higiene e checagem). Foi realizada psicoeducação por meio de discussões sobre um capítulo de livro cuja leitura lhe foi sugerida. A cliente também assistiu a filmes sobre o tema, indicados pela psicoterapeuta, discutidos a seguir em sessão. Com base no registro realizado durante as sessões de psicoterapia analítico-comportamental, observou-se a diminuição dos comportamentos compulsivos somente após a introdução do procedimento de psicoeducação. Entretanto, não foi possível realizar o follow-up para verificar se os ganhos obtidos durante o tratamento foram mantidos. Concluindo, a psicoeducação se caracterizou como um procedimento que criou um novo contexto verbal no qual a ocorrência de sintomas encobertos de TOC perdeu a função de estímulo discriminativo para emissão de rituais e tornou-se sinalizadora paras respostas que V poderia emitir para melhorar sua qualidade de vida. Com isso, observou-se a redução dos respondentes de medo. Dessa forma, a cliente passou a ficar sob controle do que ela almejava para sua vida e não sob controle de se livrar do desconforto provocado pelas obsessões.

Palavras-chave: Transtorno obsessivo-compulsivo, psicoeducação, terapia analítico-comportamental.