Atividade: Estudos de Casos Clínicos

HISTÓRIA DE CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO COERCITIVAS DESENVOLVENDO UM REPERTÓRIO COMPORTAMENTAL DE AGRESSIVIDADE – ESTUDO DE CASO EM TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR)

MARIANA VALENTE T. DA SILVA TALARICO

ITCR - Campinas e Grupo ABAcadabra

Thiago (9) era filho único e os pais se separaram durante o processo psicoterapêutico. Cursava o 3º ano do Ensino Fundamental e frequentava uma ONG no contra-turno escolar. As queixas do cliente, apresentadas pela ONG, referiam-se a comportamentos agressivos, irritabilidade e desrespeito a regras. Ao longo do processo psicoterapêutico, observou-se que o comportamento de Thiago era pouco controlado pelas regras existentes na escola e na ONG, envolvendo-se em episódios de agressões verbal e/ou física, o que demonstrava que ele era insensível ao outro e às consequências de longo prazo. Isso também ocorria em casa, na relação com os pais: Thiago desrespeitava e desobedecia a mãe, e não se preocupava em visitar o pai. Outras dificuldades do cliente relacionavam-se a déficit no repertório social, dificuldade de discriminação de sentimentos e comportamento alimentar restrito. A mãe encontrava dificuldades para estabelecer regras e limites, apresentando comportamentos permissivos, e estabelecia contingências coercitivas (punições físicas) quando Thiago não se comportava como ela desejava.  Foram delineados como objetivos psicoterapêuticos: (a) auxiliar o cliente a discriminar sentimentos e emoções (com o uso de livros explicativos, esclarecimentos e análise de situações vivenciadas pelo cliente); (b) levar o cliente a descrever as Contingências de Reforçamento (CR), a fim de torná-lo mais sensível às mesmas; (c) levar o cliente a se comportar mais sob controle de regras desejadas pela psicoterapeuta (por meio de tarefas de casa semanais, combinados e jogos); (d) ensinar o cliente a se comportar sob controle das consequências de seu comportamento sobre o outro (como por exemplo, a partir de uma atividade de construção de uma “Lista certo e errado” e possíveis consequências); (e) ampliar o repertório social do cliente (por meio de atividades fora da sala de atendimento, por exemplo); (f) ampliar o repertório comportamental do cliente, reforçando positivamente e socialmente os comportamentos adequados e descrevendo capacidades do cliente; (g) ampliar comportamento alimentar do cliente, fornecendo orientações quanto à alimentação, experiências com alimentos novos para o cliente e orientação nutricional; (h) auxiliar a mãe no manejo das CR, ensinando-a a consequenciar os comportamentos do cliente de maneira mais apropriada, por meio de orientações. Foram observadas modificações comportamentais significativas no repertório de Thiago: suas notas escolares melhoraram; diminuíram as queixas da escola e da ONG (a mãe não foi mais chamada para reuniões e o cliente não se envolveu mais em brigas); em casa, passou a expressar mais seus sentimentos, especialmente à mãe, porém ainda com dificuldades no que diz respeito às regras e obediência.

 Palavras-chave: Terapia por Contingências de Reforçamento (TCR); agressividade; contingências coercitivas; comportamento governado por regras.