Atividade: Estudos de Casos Clínicos

“ESSAS SÃO MINHAS MANIAS”: ESTUDO DE CASO EM TCR COM UMA CRIANÇA PORTADORA DE TOC.

ADRIAN PARRA DOMINGUES

ITCR-CAMPINAS

Murilo (7) era filho de Patrícia (29) e João (37). Moravam em uma cidade do estado do Rio de Janeiro desde o nascimento de Murilo. Em decorrência do emprego, o pai foi transferido para uma cidade do interior do estado de São Paulo, onde permaneceu por um ano sem a família. Durante esse período, Patrícia e Murilo permaneceram na cidade natal e só depois foram morar com João. Os pais buscaram psicoterapia para Murilo, pois se queixavam do aumento de comportamentos indesejados apresentados por ele depois da mudança de cidade e depois do início das aulas na escola nova. Murilo e a mãe estavam há seis meses na cidade. Segundo o relato dos pais, Murilo apresentava excessos comportamentais por eles chamados de cacoetes” (balançava a cabeça; emitia barulhos com a boca; movimentos repetitivos com as mãos; etc.). Tais comportamentos produziam conseqüências dolorosas para Murilo e preocupação para os pais, sendo que em algumas ocasiões se envolvia em agressões físicas e verbais com os colegas ou voltava da escola chorando por ter sido motivo de piada entre eles. Além desses comportamentos, os pais relatavam um déficit no repertório acadêmico além de falta de limites e dificuldades de Murilo de ficar sob controle das regras impostas por eles e pelos demais adultos do convívio, como por exemplo, profissionais da escola. As dificuldades comportamentais de Murilo,  juntamente com a dificuldade dos pais produziam uma diminuição das saídas e programações sociais da família, sendo que Patrícia e João sentiam-se envergonhados por não terem controle sobre os comportamentos do filho. A mãe relatava grande dificuldade em adaptar-se e criar vínculos na nova cidade e deixava clara a sua insatisfação e seus medos relacionados à nova rotina, situação esta que gerava brigas constantes entre o casal. Murilo, por sua vez, emitia intraverbais relacionados aos perigos existentes na nova cidade e descontentamento com o seu modo de vida, dizendo não conseguir fazer amigos e nem se divertir na escola. Diante das queixas apresentadas, foi necessário elaborar alguns procedimentos com a criança, com os pais e também com profissionais da escola. Os comportamentos compulsivos foram trabalhados na medida em que Murilo mostrava-se confortavel para relatar, já que se tratava de temas aversivos para ele, sendo que muitas vezes sentia-se punido pelo olhar de estranhamento das pessoas e pelas piadas dos colegas quando engajava nas compulsões. Para introduzir tais assuntos em sessão utilizou-se livros infantis que traziam assuntos relacionados aos comportamentos compulsivos e obsessões. Optou-se assim dar enfâse em procedimentos que tivessem como resultado comportamentos e sentimentos incompatíveis ao de ansiedade, com o objetivo de desenvolver em Murilo um repertório de comportamentos mais desejado socialmente que produzissem sentimentos de autoestima e autoconfiança. Dentre eles, destacaram-se: descrição e manejo de Contingências de Reforçamento (CR); instruções verbais; fading in de regras; fading in de assuntos relacionados ao TOC infantil; apresentação de modelos; reforço diferencial, a fim de desenvolver comportamentos mais desejados socialmente e enfraquecer comportamentos indesejados; construção de jogos e realização de tarefas com autonomia e independência, visando a aumentar sentimentos de autoestima e autoconfiança; atraso do reforçador com o objetivo de ampliar repertório de tolerancia à frustração. Como resultados destacaram-se: aumento de um repertório de comportamentos socialmente desejados como emissão de comportamentos sob controle das regras de adultos e fortalecimento de vínculo com seus pares; repertório acadêmico mais satisfatório; aumento na emissão de relatos verbais sob controle de suas dificuldades e sentimentos relacionados ao TOC; fortalecimento de sentimentos e comportamentos de autoestima, autoconfiança e tolerância à frustração e diminuição dos comportamentos compulsivos.

Palavras-chave: Terapia por Contingência de Reforçamento (TCR); terapia com crianças; Transtorno Obsessivo Compulsivo; ansiedade.