Atividade: Comunicação Oral (Relato de prática clínica)

 

DESENVOLVENDO HABILIDADES PARA ESTUDAR NO ENSINO SUPERIOR: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO COMPORTAMENTAL JUNTO A ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

 

IZABEL CRISTINA DE OLIVEIRA

Fabiana Pinheiro Ramos

Claudia Porto do Nascimento

 Ana Carla Pantoja Gomes

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO

O ingresso na universidade requer diversas habilidades para gerenciar as demandas que surgem neste contexto, e o estudante pode apresentar dificuldades relacionadas à adaptação e ao rendimento acadêmico devido a sua História de Contingências de Reforçamento, que nem sempre instalou os repertórios necessários a esse novo ambiente. Apresentamos uma proposta de oficina em grupo para o desenvolvimento de repertórios de estudo, sob o enfoque da clínica analítico-comportamental, realizada no âmbito de um Projeto de Extensão desenvolvido na Universidade Federal do Espírito Santo. As Oficinas de Orientação aos Estudos eram realizadas em 8 encontros semanais, com duração aproximada de uma hora e meia cada, conduzidas por alunos de Psicologia, devidamente capacitados e supervisionados. Durante os encontros, eram realizadas atividades (dinâmicas, exercícios, discussões) que ajudavam os estudantes a identificar as variáveis que favoreciam ou atrapalhavam seu desempenho acadêmico, a melhor organizar e gerir seu tempo, além de serem fornecidas dicas e estratégias para estudar. Tais atividades estavam alicerçadas em princípios da Análise do Comportamento, tais como: identificação dos antecedentes e consequentes do comportamento de estudar (análise funcional); estudar como um conjunto de comportamentos complexos e encadeados (cadeia comportamental); análise da fuga-esquiva da realização de tarefas acadêmicas (procrastinação); e incentivo à implementação das estratégias aprendidas na oficina na rotina acadêmica (generalização). Em uma das oficinas, realizada no ano de 2016, participaram 7 estudantes, de 6 cursos de graduação, com idades variando entre 21 e 53 anos. No último encontro, os participantes responderam ao Inventário de Satisfação do Usuário, com questões do tipo likert que avaliava sua percepção em relação a vários aspectos da oficina, e consideraram que: a oficina contribuiu no aprendizado acerca do comportamento de estudar (frequência=4); tiveram bom aproveitamento pessoal na oficina (f=5); estavam mais confiantes em relação aos estudos (f=5); e se sentiram muito bem em participar da oficina (f=7). Após 6 meses do fim da oficina, os participantes responderam ao Questionário de Acompanhamento dos Resultados da Oficina (medida de seguimento), que investigava aspectos motivacionais e comportamentais relacionados aos hábitos de estudo, e consideraram que: a oficina foi muito relevante no aprendizado de novas estratégias para estudar (f=5); utilizam as estratégias aprendidas de forma mais frequente na rotina de estudos (f=3); se sentiam motivados para aprender (f=3); tinham uma boa relação com os estudos (f=3); e menor procrastinação das tarefas acadêmicas (f=3). A oficina possibilitou aos estudantes o desenvolvimento do repertório de estudar, e sua manutenção ao longo do tempo.

Palavras-chave: Oficina de Orientação aos Estudos; Desenvolvimento de hábitos de estudos; Universitários.