Atividade: Sessão Coordenada

Desenvolvendo autonomia: desfralde aos 5 anos e meio

ISABELA ZAINE

USP São Carlos, Uniararas, ITCR – Campinas

Os pais de Bruno (5 anos e meio) procuraram psicoterapia para o filho com queixa principal de não conseguirem realizar o desfralde do mesmo para evacuar. Bruno usava o vaso sanitário para urinar, no entanto, somente evacuava usando fraldas. Quando bebê apresentava dificuldade para defecar e passava vários dias sem evacuar. Não havia evidências de problemas orgânicos que interferissem em tal processo em avaliações realizadas por pediatras. Os pais haviam tentado realizar o desfralde algumas vezes anteriormente, no entanto desistiram, pois Bruno reagia com choros, birra e segurava as fezes por alguns dias. Para evacuar, Bruno solicitava que os pais colocassem fraldas e evacuava enquanto brincava, fora do banheiro. A iniciativa de limpá-lo partia dos pais, uma vez que Bruno não apresentava incômodo em ficar sujo. Bruno também apresentava poucos comportamentos de autonomia, em especial, de autocuidados: não tomava banho, não se alimentava, nem se trocava sozinho. Bruno também apresentava baixa variabilidade com relação à escolha de roupas (usava somente roupas de inverno) e praticamente não seguia instruções. Os principais objetivos psicoterapêuticos foram: orientar os pais no arranjo de contingências que favorecessem o desenvolvimento de comportamento de seguir instruções, aumentar autonomia e aumentar a variabilidade comportamental de Bruno. Foram realizadas 23 sessões em 6 meses, sendo 17 de orientação parental e seis com Bruno. O primeiro passo foi a instalação de comportamento de seguir instruções juntamente com comportar-se de maneira mais autônoma, começando pelo banho. Os pais davam as instruções para ele lavar as partes do corpo, enxaguar-se, secar-se e vestir-se. A ajuda dos pais foi sendo gradualmente esvanecida e comportamentos desejados eram positivamente reforçados com elogios e adesivos. Estes repertórios também foram estimulados por meio de brincadeiras e inclusão de Bruno em algumas rotinas familiares, como colocar a mesa do jantar, fazer suco e guardar seus brinquedos. O treino ao banheiro envolveu os seguintes passos: fazer cocô somente dentro do banheiro; aumento do custo de resposta para colocar fraldas; limpar-se sem ajuda se usasse fraldas ou limpar-se com ajuda se usasse o vaso sanitário; retirada da opção de usar fraldas; levar ao banheiro em intervalos de tempo pré-estabelecidos; levar ao banheiro quando Bruno solicitasse; ir independentemente ao banheiro. Os reforçadores também foram adesivos e reforço social. Com relação às escolhas das roupas, estas deveriam ser contingentes ao clima: em dias frios poderia usar roupas de inverno, no entanto, em dias quentes, deveria escolher entre opções de roupas de verão. As sessões com Bruno focaram em brincadeiras que envolviam regras para seguir e aumentar a variabilidade de escolha de brincadeiras, sendo que todas deveriam ser diferentes em uma mesma sessão. Dentre os principais resultados, Bruno passou a fazer cocô no vaso sanitário de maneira independente e a escolher suas roupas de acordo com o clima.

Palavras–chave: Autonomia; baixa variabilidade comportamental; desfralde; orientação de pais.