Atividade: Sessão Coordenada

 

A Avaliação Neuropsicológica Infantil como ferramenta para intervenções em Terapia por Contingências de Reforçamento (TCR)

 

 

CAROLINE MENEGHIN MANSUR

ITCR-Campinas

 

A Avaliação Neuropsicológica Infantil é um processo psicodiagnóstico que tem como foco a relação cérebro-comportamento. Nessa ótica, as dimensões do comportamento constituem uma rede dos sistemas emocionais, cognitivos e de controle intimamente relacionados com o funcionamento cerebral. As áreas avaliadas incluem, essencialmente, atenção, percepção, memória, linguagem, raciocínio, aspectos emocionais e observações comportamentais. O neuropsicólogo tem por objetivo principal correlacionar as alterações observadas no comportamento do cliente com as possíveis áreas cerebrais envolvidas, realizando um trabalho de investigação clínica. As queixas escolares e as comportamentais, dentre elas dificuldade de aprendizagem, comportamentos desatentos, dificuldades de relacionamento com colegas e professores, recusa em fazer atividades escolares, desempenho abaixo do esperado em leitura, escrita e matemática, são as principais demandas por avaliação, e os encaminhamentos são feitos, geralmente, por professores e outros profissionais que acompanham o cliente. A Avaliação Neuropsicológica Infantil tem peculiaridades que devem ser analisadas: neuroplasticidade cerebral, padrões de desenvolvimento, relações familiares e escolares e função dos comportamentos emitidos pela criança. A partir da demanda, o profissional seleciona as técnicas adequadas, com flexibilidade, pois o processo de avaliar acaba por sugerir áreas a serem investigadas em profundidade. O relatório de avaliação é o resultado final do processo e a abertura das orientações para intervenções, devendo incluir aspectos descritivos e interpretação dos dados obtidos. Não se trata de rotular ou enquadrar o cliente como integrante de grupos problemáticos, e sim de evitar que tais dificuldades possam impedir o desenvolvimento saudável da criança. As orientações para intervenções podem ser direcionadas a diferentes áreas, como fonoaudiologia, psicopedagogia, terapia ocupacional e, constantemente, psicoterapia. Neste último caso, o psicoterapeuta, em especial o psicoterapeuta que atua em Terapia por Contingências de Reforçamento, realizará análises sobre os comportamentos emitidos pelo cliente em suas relações e as contingências de reforçamento (CR) das quais são função. O conhecimento das CR torna possível tanto a modificação de comportamentos indesejados, quanto a instalação e o desenvolvimento de novos repertórios. Além disso, embasado na ciência do comportamento, o profissional achar-se-á em condições plenas de realizar intervenções precoces, eficazes e apropriadas às demandas inicialmente apresentadas e que levaram à realização da Avaliação Neuropsicológica, aumentando a probabilidade de desenvolvimento de repertório comportamental, cognitivo, escolar e sócio emocional da criança.


Palavras-chave: Avaliação neuropsicológica infantil; neuropsicologia; Terapia por Contingências de Reforçamento (TCR); Terapia Comportamental com crianças.