Atividade: Mesa Redonda

O LUGAR DO FEMINISMO NA CLÍNICA COMPORTAMENTAL

 

DESCRIÇÃO FEMINISTA DE VARIÁVEIS RELEVANTES NA AVALIAÇÃO E NA INTERVENÇÃO EM CLÍNICA COMPORTAMENTAL

 

AMANDA MORAIS

Universidade Estadual de Maringá

Coletivo Marias & Amélias de Mulheres Analistas do Comportamento

 

O Feminismo enquanto campo político, teórico e epistemológico tem influenciado diversas áreas, incluindo a Psicologia. Com o crescimento do paradigma feminista na psicoterapia surge a Terapia Feminista (TF) que se aproxima em diversos pontos da clínica analítico-comportamental, principalmente pelo enfoque contextualista. Analistas do Comportamento da área clínica, em especial da FAP, vem evidenciando essas similaridades. A partir da Psicoterapia Analítico Funcional feminista destaca-se a importância da identificação e análise das variáveis provenientes do patriarcado que influenciam o comportamento das clientes e terapeutas. Geralmente sutis, indiretas e nem sempre identificadas por quem é afetada, essas contingências sociais podem ser descritas e analisadas quando se aplica o treino discriminativo necessário. Portanto, é preciso que a terapeuta desenvolva a habilidade de discriminar as práticas sociais machistas evitando fortalecer, mesmo que despercebidamente, padrões de opressão a mulher. Além da violência física e sexual, podem-se agrupar outras práticas sociais que oprimem a mulher, consideradas menos perceptíveis: policiamento e repressão sexual; diferença de acessibilidade a reforçadores; papéis e expectativas familiares; representatividade social. Analisando casos clínicos em que foram identificadas a ingerências dessas práticas culturais, é possível verificar a relevância do enfoque feminista para a avaliação e intervenção na psicoterapia. Estratégias e recursos específicos que podem auxiliar na identificação de variáveis relevantes e promoverem o empoderamento feminino.