Atividade: Discussão de estudo de caso

"JÁ SOU GORDINHA, ENTÃO PRECISO SER MELHOR" – TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) EM UM CASO DE ATENDIMENTO INFANTIL COM QUEIXA RELACIONADA À AUTOIMAGEM

 

SUPERVISORA: Renata Cristina Gomes

ITCR - Campinas

 

PSICOTERAPEUTA: Raquel Deperon

ITCR - Campinas

 

Vivian (09) morava com seus pais – o pai (41) era médico e a mãe (40) era assistente social – e seu irmão (15). Frequentava o terceiro ano do Ensino Fundamental em escola particular. Os pais compareceram à primeira sessão relatando que, embora tivesse boas notas, Vivian vinha apresentando insegurança quanto ao seu desempenho escolar em matemática (estudava excessivamente antes das provas e chegava a ter dores de barriga). Essa insegurança surgia também diante de situações que os pais classificaram como “bobas”, como decidir que roupa vestir: “ela dramatiza, aumenta demais as coisas”. Acrescentaram que o relacionamento de Vivian com as colegas na escola era conflituoso: quando a cliente sentia-se rejeitada pelas demais, reagia chorando e tentando humilhar as colegas dizendo, por exemplo, que era melhor do que elas ou que vinha de uma família melhor do que a delas (“meu pai é médico, o seu é jornaleiro”). Os pais enfatizaram nessa primeira sessão que a filha comia muito, era “gordinha” e sofria por não ser magra. A própria Vivian, em sessão subsequente, confirmou que gostaria de ter a “barriga chapada” e que se sentia muito mal com a própria aparência. Detestava ser “gordinha” e entendia que: “já que eu sou gordinha, preciso ser melhor em tudo, ser a melhor aluna, a amiga mais divertida, a mais inteligente...”. Ao mesmo tempo, questionava-se: “minha tia, que é minha madrinha, é obesa e é muito feliz... por que não consigo emagrecer ou então ser feliz como eu sou?”.

 

Palavras-Chave: Terapia por Contingências de Reforçamento (TCR); autoimagem corporal; terapia com crianças.