Atividade: Comunicação Oral

O DESPERTAR DAS HABILIDADES: A PERSPECTIVA DA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO APLICADA A UM CASO DE AUTISMO NA INFÂNCIA

JULIA COSTA SARGI

Larissa de Aguirre Silva

Mayra Michel

Renata Michel

 

Grupo Conduzir

 

Fernando (06) iniciou o processo psicoterapêutico devido ao diagnóstico de TEA (Transtorno do Espectro Autista). A partir de sessões de observação realizadas com a criança em diferentes contextos (na clínica, na casa do cliente, na presença dos pais e em ambiente escolar) e de reunião com professores, foi identificado que Fernando apresentava: déficit no repertório verbal nas categorias de ecóico, mando, tato, intraverbal e pré textual; dificuldades de seguir instruções, de engajar-se em atividades de regras simples e de faz de conta. Em relação às habilidades sociais, observou-se que a interação entre pares era limitada e de baixo valor reforçador para o cliente, que emitia comportamentos de fuga/esquiva de contato social.  Apesar das dificuldades identificadas, o cliente demonstrava interesse diante de novos estímulos e  apresentava respostas que poderiam funcionar como elos iniciais de um encadeamento visando a desenvolver repertório autônomo de banhar-se e escovar os dentes. Tais respostas, porém, não eram selecionadas pelo ambiente familiar. A intervenção constituiu-se de 4 horas semanais de terapia ABA e 12 horas semanais de Acompanhamento Terapêutico. Para o treino e instalação dos repertórios verbais e acadêmicos foi utilizado o Treino de Tentativas Discretas (DTT) e  procedimentos de modelagem e aprendizagem sem erro foram utilizados para a aquisição de novos repertórios. Já para o desenvolvimento de habilidades sociais e de independência, foi utilizado o ensino incidental e, dentro dessa proposta, os procedimentos de modelação, encadeamento e play-dates foram frequentemente utilizados. Outro repertório que foi desenvolvido foi o acadêmico, visando à atingir metas estabelecidas para a criança em conjunto com equipe pedagógica escolar.Após um ano de intervenção, ao comparar os comportamento atuais com registros realizados durante todo o processo de intervenção terapêutica, ficou evidente que o repertório verbal de Fernando foi ampliado e contribuiu para que o repertório social também se desenvolvesse. Fernando atualmente brinca de forma desejada com seus pares por 2 horas ou mais. Participa de eventos sociais variados como festas de aniversários, apresentações musicais na escola e passa o dia na casa de amigos. Seu repertório de brincar foi ampliado, sendo capaz de engajar-se em jogos com seus pares sem apresentar comportamentos de fuga-esquiva como registrado no início. Ele atualmente brinca com jogos complexos e aceita perder sem engajar-se em comportamentos disruptivos. Ao final do processo psicoterapêutico, Fernando passou a emitir 60 mandos espontâneos por hora, em contraste aos 8 por hora registrados inicialmente. A topografia inicial de mandos era de menos de três palavras e a criança não emitia mandos por atenção, informação ou interrupção de atividades; ao final do processo, ele já era capaz de emitir mandos com 8 ou mais palavras e com diferentes funções. Tendo como base os resultados registrados, pôde-se observar que a criança  ampliou de forma significativa seu repertório social e verbal. Atualmente, por estar cada vez mais exposto a situações do convívio social, ele vem desenvolvendo as habilidades em ambiente natural, além de manter e generalizar aquelas aprendidas em sessões de terapia ABA.

Palavras chave: Análise do Comportamento Aplicada (ABA); autismo, ensino incidental.